Encontrar paz e gratidão durante tempos difíceis

Quando o pior acontece na vida, pode ser difícil ter alguma esperança no futuro, muito menos apreciar as coisas boas que se mantêm no presente. Aqui, Poorna Bell partilha sobre como cultivar a gratidão a ajudou a acabar por encontrar paz após o falecimento do seu marido

Alguns meses depois de o meu marido, Rob, ter falecido, uma amiga tentou confortar-me dizendo: “Pelo menos aconteceu o pior.” Lembro-me de me ter rido. Tenho a certeza de que, para muitas pessoas, perder o marido devido a suicídio, aos 34 anos, é a pior coisa que pode acontecer. Mas vivenciar um sofrimento e um trauma tão profundos apenas quatro anos após o meu casamento. me abriu os olhos para um facto comovente – que, muitas vezes, não temos controlo sobre as nossas próprias vidas. Mais precisamente, que vivenciar o pior não impede que outras coisas más aconteçam mais adiante. Mas, embora isto possa soar niilista, significa que o contrário também é verdade. Posso não o ter sentido naquele momento, mas a vida tem o potencial de proporcionar imensa alegria e realização.  

 

Mesmo sem lidar com uma tragédia, muitas vezes é muito difícil apercebermo-nos disso. Não somos naturalmente ensinados a reservar um momento e apreciar as coisas boas nas nossas vidas. E também pode haver uma explicação biológica para isso. Um estudo de 2018 da Stanford University descobriu que temos maior probabilidade de recordar experiências negativas do que positivas, sugerindo que isto pode ter origens evolutivas, em termos de sobrevivência. Existe um maior incentivo, por exemplo, para se lembrar de um predador que o pode matar do que para apreciar um dia ameno ou uma vista bonita.  

 

Mas se passarmos pela vida inconscientes, sem reconhecer as coisas que temos e as coisas que alcançámos, então tudo isso conta muito pouco. Por outro lado, reservar o tempo para apreciar o que temos e a gratidão que sentimos pode ajudar muito ao lidar com momentos difíceis.  

 

No primeiro ano depois da morte de Rob, houve uma grande catarse e raiva. Não só a situação em que me encontrava, mas também a injustiça de tudo. Tudo o que parecia conseguir fazer era medir como estava a minha vida em comparação com a dos outros e tinha a sensação de que nunca conseguiria recuperar. Porém, chegou o momento em que percebi que estava numa encruzilhada. Podia ruminar infinitamente sobre o que tinha perdido ou podia olhar para o que já tinha e o que queria ganhar.  

 

No início, parecia impossível alguma vez recompor a minha vida. Mas quando comecei a escrever sobre o Rob – não só sobre como me estava a sentir, mas também para tentar eliminar o estigma da depressão e do suicídio – recebi bondade inesperada de desconhecidos. Recebi centenas de e-mails de pessoas que já tinham estado numa situação semelhante à minha ou à do Rob. O que brilhou nessas cartas foi a solidariedade e a tranquilização, mas também me trouxeram a coisa mais preciosa: a esperança. O potencial de que o futuro pode ser melhor e de que não será sempre tão doloroso.  

 

Lembro-me de me sentar na cama a lê-los e de que a emoção mais arrebatadora que senti foi a gratidão. Esses desconhecidos tinham reservado tempo no seu dia para entrarem em contacto comigo. Nesse momento, senti como até a ligação humana mais pequena pode ser poderosa e como pode fazer as pessoas sentir-se menos sós. A sua bondade, bem como o apoio que os meus amigos e a minha família me deram, lembraram-me de que as pessoas se importam. Isso ensinou-me uma lição valiosa – que se me sentir isolada ou sozinha, isso é um sinal de que preciso de me aproximar das pessoas.  

No entanto, uma das coisas mais poderosas foi também a mais simples: reparar nas pequenas coisas boas na vida do dia a dia. Li The Divided Mind (A mente dividida) do Dr. John Sarno, que me ensinou que notamos sempre quando algo nos magoa ou não nos faz sentir bem, mas que também é poderoso expressar-nos quando nos sentimos bem. Quase rescreve o que o seu cérebro nota e como se sente depois. Mesmo assim, no início, eu sentia-me tonta a dizer em voz alta – mesmo que fosse só para mim – “Gostei imenso dessa corrida” ou “Estou feliz hoje”, mas reparei que me dava uma nova apreciação pelos momentos em que me sentia bem. Em particular, num contexto de sofrimento, quando tudo parece negro e repleto de dor, reservar um momento para expressar a minha gratidão destacou-se como ouro.  

 

Mas o fator mais decisivo foi ter decidido narrar os meus momentos de gratidão. Conhecia os benefícios de escrever um diário e como isso me poderia ajudar com o stress a curto prazo, mas o verdadeiro benefício que encontrei foi quando voltei a olhar para os meus diários depois de algum tempo. Mostraram-me quão longe tinha chegado e como essas mudanças incrementais – desde manter a minha rotina de ir dormir até deixar o meu trabalho – criaram uma base muito mais forte para mim. Crucialmente, também me recordou de tempos em que ultrapassei coisas que não pensava que fossem possíveis, o que me ajudou especialmente quando duvidei de mim.  

 

Também tentei envolver uma amiga. “Vamos enviar uma mensagem com as três coisas pelas quais estamos gratas, uma vez por semana”, incentivei. Embora fosse difícil ela cumprir, quando o fizemos, ajudou-nos a sair do espaço negativo em que nos encontrávamos.  

 

Mas o mais importante é que cultivar um sentido de gratidão lhe permite sentir a imensidão da vida e de quanto é capaz de fazer. Foi a mudança de perspetiva mais poderosa. Quando perdi o Rob, não conseguia ver como chegar ao dia seguinte, quanto mais a uma semana ou um mês. Certamente não poderia ter imaginado que sete anos depois estaria a viver uma vida em que me sinto feliz e realizada. A gratidão permitiu-me ver quão forte posso ser, porque me permite ver quão forte tenho sido, e posso usar isso para vencer desafios futuros. Não significa que não acontecerão coisas más no futuro. Mas significa que me guia para fazer escolhas que são saudáveis para mim e, o que é mais importante, que me mantêm ancorada e feliz. E se alguma coisa má acontecer novamente, o que sei que pode acontecer, a gratidão dá-me mais força do que tinha no passado.