Segredos do Sono: Uma entrevista com a especialista do sono, Dra. Els van der Helm

Passamos um terço da nossa vida a dormir. É incrível, não é? O sono é extremamente importante e influencia fortemente a forma como nos sentimos, quer física, quer mentalmente. Mas, embora seja algo tão essencial, ainda existe muito para aprender em termos de sono de qualidade. Encontramo-nos com a Dra. Els van der Helm, uma das responsáveis pela aplicação Shleep, para lhe pedir alguns conselhos e mudar um pouco isto.

Como especialista e consultora de sono, Els van der Helm visita empresas para explicar como o bom sono pode contribuir para melhorar a produtividade e a saúde dos colaboradores. Ela atua também como assessora, fornecendo aconselhamento sobre a melhoria a qualidade do sono.  

 

 

Na sua opinião, quais são os perigos associados a um sono de má qualidade?

Quando dormimos mal, não há quase nada no corpo que não sofra. Isso afeta o nosso sistema imunológico. Por exemplo, sabemos que quem dorme mal corre um maior risco de sofrer de cancro e Alzheimer. Além disso, estas pessoas têm tendência a comer demais, concentrando-se nos hidratos de carbono. Não dormir o suficiente também tem efeito sobre a glicose no sangue. Não digo que isto provoque diabetes, mas é uma possibilidade. A saúde mental também é afetada: quando não dormimos o suficiente, existe maior probabilidade de desenvolvimento de distúrbios de ansiedade e depressão.

Se acorda mal-humorado, geralmente é porque não dormiu bem. Uma boa noite de sono dá impulso muito necessário ao nosso humor. É por isso que normalmente aconselho a que as pessoas valorizem o sono, da mesma forma que valorizam o exercício e a nutrição. As pessoas sabem que devem fazer exercício, manter uma alimentação saudável e praticar mindfulness mas o sono é muitas vezes esquecido. Não é necessário dormir sempre o mesmo número de horas por dia, mas devemos manter um bom equilíbrio. Tente manter os períodos de sono tão regulares quanto possível: o organismo necessita desta regularidade e rotina.

O stress é também um grande inimigo do sono. Quanto mais consciente estiver durante o dia, melhor dormirá à noite. Normalmente, depois de dias muito stressados não conseguimos dormir bem à noite. Não podemos esperar adormecer em 30 minutos. É necessário questionarmo-nos, "o que acontece comigo se não dormir o suficiente?" Todos nós temos o nosso alarme próprio; é necessário reconhecer os sinais para poder tentar encontrar uma solução.

 

As pessoas sabem que devem fazer exercício, manter uma alimentação saudável e praticar mindfulness mas o sono é muitas vezes esquecido.

 

Empenha-se muito em informar as empresas e as pessoas sobre a importância do sono em geral. Fá-lo de uma forma muito acessível, especialmente para alguém que possui formação científica. Porquê?

Eu acho ótimo que os cientistas trabalhem cada vez mais com as empresas e os meios de comunicação social para transmitir a sua forma de pensar a um público mais vasto. Quando leio artigos científicos, por vezes penso: "okay, e agora?" O que realmente queremos é que os cientistas nos ofereçam conselhos úteis. É isso que estamos a fazer agora e é algo de que realmente gosto: manter um pé na universidade e traduzir o conhecimento para o resto do mundo.  

 

Como é que os problemas do sono afetam a sociedade em geral?

É importante saber que existem dois grupos de pessoas. Por um lado, temos as pessoas que não dão importância suficiente ao sono. Isso significa que os seus dias são tão preenchidos que nem sequer pensam em ir dormir, estão sempre em ação, quer seja a trabalhar ou a ver o Netflix. É possível que eles não notem as consequências de não dormir o suficiente, e isso pode ser perigoso. Se acorda mal-humorado e não associa isso à falta de sono, nada vai mudar. Aliás, não se trata apenas da quantidade de sono, mas também da qualidade do mesmo.

O outro grupo de pessoas, cerca de 15% da população, está consciente de que tem problemas de sono. Por exemplo, têm dificuldade em adormecer, acordam a meio da noite ou acordam demasiado cedo. Estas pessoas devem ser abordadas de forma diferente. Também devemos dizer-lhes algo mais, por exemplo: se teve uma má noite de sono, isso não é o fim do mundo.

 

Os jovens parecem estar muito mais conscientes do sono e da sua importância. Porque será?

Este grupo é muito mais consciente sobre a sua saúde; são também mais abertos em termos das diversas formas de solucionar os seus problemas. Por exemplo, se começaram há pouco tempo num novo emprego eles sentem que ainda têm muito para aprender e isso proporciona-lhes uma mentalidade diferente. Além disso, este grupo está simplesmente mais consciente da sua saúde e acha importante cuidar de si. Os jovens em geral sentem mais stress devido a novos empregos e uma vida social muito ativa, por exemplo. Por isso, o sono pode ser realmente um desafio.

 

Tem algum ritual noturno para preparar o corpo e a mente para dormir?

Eu não penso em dormir apenas de noite, mas também de dia. Tento fazer exercício logo de manhã e tento jantar a horas para não ter de o fazer pouco antes de me deitar. Tanto quanto possível, tento reservar as tarefas intelectualmente mais exigentes para a manhã, para não ter muitas coisas complicadas à noite. Desta forma, preparo-me sempre para conseguir dormir bem.

 

Na sua opinião, qual o ambiente ideal para dormir? Tem algum "conselho para o quarto" para garantir uma boa noite de sono?

O quarto deve ser fresco, por volta de 17 ou 18 graus, e sempre que possível ter uma janela aberta. Poderá precisar de um cobertor mais grosso, mas isso é melhor do que manter a janela fechada. O quarto também deve ser sossegado, mas se isso não for o caso, poderá usar tampões de ouvidos ou um aparelho de ruído branco (nota do editor: um dispositivo que produz todo o tipo de ruídos subtis, como cascatas ou o som do vento) como plano de fundo. Isso bloqueia outros ruídos que podem incomodar o sono. Também é importante reservar o quarto apenas para dormir, o que significa não ter nada no quarto que o lembre do trabalho. Por exemplo, evite levar o seu portátil para a cama.

 

Por fim, quais são os seus projetos para os próximos anos?

Estamos em constante desenvolvimento com a aplicação Shleep. A nossa missão é ajudar o mundo a dormir melhor, e estamos muito motivados. Não só queremos ajudar as pessoas a tornarem-se mais conscientes, mas queremos também dar-lhes maiores conhecimentos, para que elas próprias possam fazer as mudanças necessárias.

 

Quanto mais consciente estiver durante o dia, melhor dormirá à noite.