Como fazer e receber elogios bonitos

Para muitas pessoas, receber um elogio pode provocar um calafrio. Se não está habituado(a) a ter sinais de apreço, pode ter o costume de os rejeitar ou simplesmente dispensar qualquer louvor que lhe seja feito. Mas fazer elogios é muito mais do que “ser simpático” e precisamos de aprender a aceitá-los e de compreender como fazê-los se queremos atingir um estado de consciência mais elevado ou, pelo menos, sentir-nos satisfeitos.

 

“A base de uma boa saúde mental é sermos capazes de cumprir as nossas necessidades emocionais e psicológicas no ambiente em que estamos, e uma delas é dar e receber atenção”, explica Lee Pycroft, psicoterapeuta profissional. “Provoca uma sensação de bem-estar e faz com que sintamos que fomos vistos e ouvidos”.

 

E há muitos outros benefícios. Podem ajudar-nos a reconhecer uma qualidade ou aptidão que talvez não soubéssemos que temos, podem estimular o amor-próprio, podem motivar-nos e incentivar-nos a seguir em frente e podem funcionar com um sinal de aceitação de uma pessoa relativamente a outra. “Também podem incentivar sentimentos de boa-vontade, de amabilidade e podem até ajudar a resolver situações de exaltação, dando a volta a uma discussão ou desentendimento”, afirma Vanya Silverton, female empowerment coach e energy healer.

 

HÁ UMA CIÊNCIA POR DETRÁS DOS SURTOS DE FELICIDADE?

Os elogios podem funcionar de duas formas. Se receber um elogio no trabalho, por algo que fez, ou se alguém lhe der os parabéns por atingir um objetivo de fitness ou de saúde, isso vai disparar a dopamina, o neuromodulador relacionado com a motivação, a concentração e o otimismo. Está ligada à nossa força interior e é um sinal de “faz isso outra vez” para o nosso cérebro. No entanto, se elogiar alguém porque está grato(a) por algo que essa pessoa fez, o mais provável é que se produza uma libertação de serotonina - a hormona da felicidade -, que está mais ligada ao apreço. “O melhor de tudo é que ao recebermos um ato de amabilidade, ocorre uma libertação de serotonina e isso, provavelmente, vai fazer com que a pessoa que recebeu o elogio faça algo agradável, criando uma reação em cadeia de simpatia”, afirma Chris Dreyfus-Gibson, fundador do centro holístico Zentrify.

 

COMO FAZER UM ELOGIO

Provavelmente, a lição número um de aprender a fazer elogios é ser específico(a) com aquilo que diz. Isso demonstra integridade e que sente genuinamente o que disse. “Seja observador(a) e analise a pessoa, o que se destaca nela e o como é que ela se comporta no ambiente em que está. É como elogiar uma criança, em vez de dizer ‘és brilhante em tal coisa’, seja mais específico(a) e diga ‘gosto da forma daquela letra’ ou ‘gosto da cor que escolheste para aquilo’. É muito mais benéfico e também é mais fácil para que a outra pessoa compreenda e aceite”, aconselha Lee.

 

E o momento também é um fator relevante. Se alguém fez algo muito bem no trabalho ou fez um bolo delicioso, não espere uma semana para a elogiar, faça-o onde e quando isso acontecer.

 

E embora todos gostemos que nos vejam como alguém simpático e ter a fama de dizer coisas bonitas, saiba quando parar. Bombardear as pessoas com elogios vai ser visto como uma prática descartável, superficial e acabará por perder o significado, portanto guarde-os para quando forem realmente sentidos.

 

Quanto ao meio que escolhe, embora a maior parte dos elogios sejam articulados e ditos cara a cara, a escrita pode ser um meio especialmente poderoso. “Se estiver numa carta, podemos voltar a lê-lo e isso pode ter um impacto muito positivo no bem-estar de alguém como reforço positivo de como essa pessoa se sente”, afirma Lee.

 

COMO RECEBER UM ELOGIO

É natural que as pessoas se sintam envergonhadas ou desconfortáveis quando recebem um elogio, sobretudo se nunca os receberam quando eram jovens, se têm uma ideia negativa de si próprias ou baixa autoestima. Também pode ser embaraçoso se alguém comenta algo sobre a nossa beleza ou diz que gosta de uma peça de roupa que temos vestida, porque não queremos ser vistos como sendo melhores do que os outros, mas é importante reconhecer as verdadeiras intenções por de trás do que se disse.

 

A melhor coisa que podemos fazer é agradecer. Valorize o facto de a outra pessoa ter feito um esforço por o(a) elogiar e tente aceitar isso. “Se alguém nos faz um elogio genuíno, também está a fazer algo por si próprio(a), porque tem a oportunidade de expressar o apreço que sente, portanto tente pensar que não é tanto por si”, explica Lee. “Quando rejeita um elogio, está a rejeitar a opinião dessa pessoa sobre algo que é potencialmente valioso para ela, portanto pratique o seu agradecimento e aperceba-se de como isso o(a) faz sentir. Saiba que está a permitir que outra pessoa se expresse, o que é muito positivo e pode ser uma forma de alimentar e construir relações humanas”.

 

Se isto lhe parecer pedir demasiado, Vanya sugere praticarmos a forma como recebemos elogios de nós próprios. “À frente do espelho, olhe nos seus olhos e faça-se um elogio uma e outra vez até o aceitar. Isto vai ser uma ajuda para quando receber elogios de outras pessoas.

 

Também é importante não subestimar um elogio, pois tal como a não aceitação, isso pode ofender a pessoa que o fez. “Em vez de negar o que lhe disseram, partilhe um detalhe curioso que contribua para a história. Portanto, se alguém o(a) elogiar numa apresentação no trabalho, diga ‘passei horas a praticar’, ou se alguém disse que gosta do que tem vestido, responda algo como ‘foi um presente de um(a) amigo(a)’”, recomenda Chris.

 

NÃO SE CONTENHA

Muitas pessoas subestimam o valor de um elogio e, portanto, contêm-se para não os fazerem, e parte porque não sabem como a outra pessoa o vai receber, mas também por medo de serem vistas como vulneráveis. “É um sinal de generosidade e de um coração aberto, mas muitas pessoas têm medo de fazer elogios, pois sentem que, de alguma maneira, isso diminui o seu poder pessoal”, explica a life coach Carole Ann Rice. Se isto lhe acontece, concentre-se em quão benéfico para ambas as partes será o elogio que está a morrer de vontade por fazer, há estudos que revelam até que apesar da ansiedade que quem elogia sente antes de o fazer, depois sente-se muito melhor. Pense nisto: com algumas palavras bem-intencionadas, terá conseguido criar uma onda de alegria e uma explosão de serotonina para si e outra pessoa.

 

Becci Vallis

Becci Vallis

Becci Vallis é jornalista de saúde e beleza há 17 anos e escreveu para publicações como a Grazia, Stylist, Cosmopolitan e Red. Apaixonada pela sustentabilidade e pela forma como a indústria pode dar a volta à poluição dos plásticos, quando não está a passear o seu cãoou a escrever artigos, está certamente a praticar boxe, a fazer ioga ou na cozinha a preparar um festim vegetariano. A sobremesa é uma rotina da qual nunca abdica.