Hapiness Challenge: transforme a sua vida em 14 dias

A Rituals tem uma missão comum com o nosso embaixador da felicidade, Mo Gawdat, ex-diretor de negócio da Google [X] e autor de Solve for Happy. A Rituals e o Mo procuram ter o mesmo impacto na sociedade: a Rituals quer tornar a vida das pessoas mais rica, proporcionar uma pausa na agitação dos dias, melhorar o bem-estar e ajudar as pessoas a encontrarem a felicidade nas pequenas coisas. O Mo quer levar a felicidade a mil milhões de pessoas. A nossa missão comum é espalhar e multiplicar a felicidade e por isso decidimos estabelecer uma colaboração, para fortalecer os nossos esforços com uma masterclass sobre felicidade. Este mês, queremos chegar a 1 milhão de pessoas e impactar as suas vidas com felicidade. O Happiness Challenge de 14 dias é uma viagem cheia de ferramentas acessíveis, rotinas fáceis e como fazer mudanças duradouras.

 

O modelo do Mo é muito simples: ser, aprender, fazer. Ser é uma consciência de algo que precisamos de fazer; aprender é a conversa que vamos ter acerca do que precisamos de saber; fazer é a prática repetida para que esse algo se torne parte do nosso estilo de vida.

 

Então quem é Mo Gawdat? No vídeo e na entrevista abaixo, a diretora criativa da Rituals, Dagmar Brusse, entrevista o Mo para descobrir porque é que ele abriu mão da sua carreira para perseguir a felicidade e o que é que a felicidade significa para ele.

 

*Por favor selecione o idioma para as legendas nas definições do vídeo do YouTube

 

“Eu nunca escolhi a missão, a missão escolheu-me a mim”, diz o Mo à Dagmar. Infelizmente, o Mo perdeu o seu filho de 21 anos em 2014: “Ali era mais do que um filho para mim, era meu amigo, era o meu orientador, ele era muito, muito inteligente e ensinou-me quase tudo o que sei sobre a felicidade.” Passados 17 dias da morte do Ali, o Mo deu por si a escrever, quase de forma frenética, para documentar tudo o que o Ali lhe ensinou sobre a felicidade.

 

“Duas semanas antes de morrer, ele teve um sonho e contou à irmã que estava em todo o lado e era parte de toda a gente… Eu estabeleci esse o meu objetivo. Na Google, é tudo aos mil milhões e eu disse ‘Muito bem, filho, eu vou fazer com que isso aconteça, vou fazer com que estejas em todo o lado e sejas parte de toda a gente espalhando a tua mensagem de felicidade e como viveste.’”

 

O Mo transformou a sua dor em energia e em felicidade para os outros. “Eu não me considero importante… mas a missão é. E acho que a missão de fazer mil milhões de pessoas felizes no mundo em que vivemos é algo que vale a pena a dor de perder o meu maravilhoso filho.”

 

A felicidade é um dos 13 pilares da filosofia A arte de viver com alma, da Rituals, portanto estabelecer uma colaboração com o Mo para espalhar felicidade, num ano tão cheio de desafios, fazia sentido.  Este ano forçou-nos a abrandar, a ter consciência do que queremos e, possivelmente, das coisas que temos de solucionar na nossa vida. O Happiness Challenge de 14 dias foi criado para lhe dar as ferramentas de que necessita para encontrar a felicidade no dia a dia. Antes de embarcar nesta viagem transformadora, o Mo partilha algumas das rotinas de felicidade que ele pratica e também porque é que a infelicidade nem sempre é algo mau.

 

Dagmar: Que rotina diária te faz realmente feliz?

 

Mo: A minha manhã é um momento para “conhecer o MO”.

 

Quando acordo, dedico os primeiros 10-15 minutos a fazer alongamentos e a certificar-me de que não tenho nenhum tipo de dor ou desconforto. Depois tomo um café… mas o meu café não e um simples café, penso muito em que tipo de café me apetece, preparo-o com muita dedicação e desfruto dele lentamente. Tudo isso antes de fazer os meus 25 minutos de silêncio. Não é meditação… para mim, o silêncio não é uma tentativa de silenciar o cérebro, é uma tentativa de ouvi-lo de forma analítica, sem as emoções que nos fazem sentir negativos. Portanto, quando o meu cérebro já disse tudo o que quer dizer, há um silêncio total, entra numa paz verdadeiramente celestial.

 

Dagmar: É aceitável ser infeliz?

 

Mo: Claro, a felicidade é um mecanismo de sobrevivência. Serve para nos alertar de que algo precisa da nossa atenção. O desafio não tem a ver com a própria infelicidade, o desafio está em não permanecer infeliz, que é o que eu chamo sofrimento. Algo desencadeia a infelicidade, ela é o nosso sistema a dar-nos um sinal de que precisamos de fazer algo e se o fizermos, então é fantástico, a felicidade foi boa para nós. Mas se permanecermos nesse estado e começarmos a jogar com ele na nossa mente, de forma constante, o que obtemos é sofrimento, que não resolve o problema, torna-o ainda pior… Quando reconhecemos [as emoções negativas], o truque é como ter aquela conversa connosco próprios para que o sinal enviado pelo nosso cérebro não se transforme em meses ou anos de sofrimento, mas sim num plano de ação e numa forma para fazermos algo sobre isso, para que a infelicidade desapareça e a nossa vida se torne melhor.

 

Dagmar: Tens algumas dicas para a felicidade?

 

Mo: A Covid-19 foi uma oportunidade para refletir, eliminei muita desorganização da minha vida. Pessoas nas quais estava a investir demasiado tempo, demasiadas viagens, demasiado pouco tempo para estar com a minha filha, demasiado pouco tempo para mim, para refletir nas coisas. É incrível quão leves nos sentimos quando eliminamos tantas coisas supérfluas.

 

Participe no Happiness Challenge da Rituals! Mo Gawdat, ex-diretor de negócio da Google [X] e autor de Solve for Happy, e a Rituals têm uma missão comum de fazer #1MillionHappy. Junte-se a nós numa viagem interativa de 14 dias que vai transformar a sua vida e ajudar a que encontre a felicidade verdadeira e duradoura. Inscreva-se no Happiness Challenge aqui.