Felicidade, alegria, diversão: porque é crucial distinguir?

Este mês, a Rituals tem a missão de fazer um milhão de pessoas felizes, mas sejamos honestos: somos seres complexos que sentem uma vasta gama de emoções positivas, negativas e neutras. Portanto, hoje estamos a focar-nos nas emoções que são, frequentemente, consideradas intercambiáveis: felicidade, alegria e diversão. Pode pensar que são bastante parecidas, mas o embaixador da felicidade Mo Gawdat não está de acordo.

 

Ontem, partilhámos a equação da felicidade do Mo, um fórmula que revela o segredo para a felicidade: quando as nossas expectativas são iguais ou inferiores à realidade dos eventos, então somos felizes. Mas em que medida é que ser feliz é diferente da diversão e da alegria? Continue a ler para descobrir as diferenças e como compreender as nuances pode melhorar a sua vida.

 

*Por favor selecione o idioma para as legendas nas definições do vídeo do YouTube.

Revelamos: a relação da alegria e da diversão com a felicidade

No dicionário, a definição de diversão é “distração, divertimento, recreio.” Na mentalidade adequada, a diversão é magnífica, mas se não estamos felizes, então pode funcionar como um escape do dia a dia, dos medos e das responsabilidades. Como disse o escritor Will Thomas - e bem -, “não há medo quando estamos a divertir-nos.” E por isso, muitos de nós trocamos a verdadeira felicidade por aquilo que o Mo chama armas de distração em massa: sair, beber e comer em excesso, entre outras.

 

Lembre-se: a diversão e o prazer de qualquer forma são apenas um estado temporário de escape, um estado de inconsciência.

Mo Gawdat.

A nível biológico, a diversão tem o seu lugar, claro! O sexo proporciona-nos prazer e isso leva a que a nossa espécie se reproduza. Mas algumas pessoas procuram a diversão como uma forma de atenuar a sua dor e o sofrimento. E a diversão é um analgésico eficaz: imita a felicidade, desligando os pensamentos incessantes que podem saturar o nosso cérebro. No entanto, infelizmente, a diversão não dura para sempre e, obviamente, não resolve os problemas subjacentes. É apenas uma distração a que continuamos a recorrer.

 

Claro que na mentalidade adequada, a diversão não é algo mau, mas deve ser vista como um suplemento da felicidade, mais do que como um analgésico. Da próxima vez que se estiver a divertir, pergunte-se: “estou a usar este momento de diversão como uma via de escape?”

 

Por outro lado, a alegria é um “estado de felicidade ininterrupta”, afirma Mo. “Uso o termo alegria livremente, porque, infelizmente, não existe um termo que descreva esse estado com precisão. Paz interior, tranquilidade, calma, todos eles são termos próximos. Talvez uma mistura de todos eles seja mais próxima, mas nenhum deles, por si só, capta o verdadeiro significado.”

 

Com frequência, pensamos na alegria como uma emoção que sentimos durante os momentos mais importantes da nossa vida: quando compramos a primeira casa, no dia do nosso casamento, ou quando nascem os nossos filhos, mas como a professora e escritora Brené Brown diz, a alegria “chega-nos em momentos, com frequência em momentos normais. Por vezes, perdemos explosões de alegria porque estamos demasiado ocupados a perseguir momentos extraordinários.” É possível encontrar a felicidade no dia a dia, mas tal como descrever o aroma de uma rosa a alguém que não tem o sentido do olfato, a verdadeira alegria é algo que reconhecemos quando a sentimos.

 

A verdadeira alegria é estarmos em harmonia com a vida tal como ela é.

Mo Gawdat.

A alegria emerge de um conhecimento profundo de que a vida, “com as suas poderosas rodas em movimento, se comporta sempre como sempre fez e sempre fará.” Todos nos deparamos com altos e baixos na estrada da vida, mas com uma mentalidade alegre, esperamos de forma realista um pouco de severidade ao longo do caminho. Quando compreendemos que a alegria pode ser encontrada nos pequenos momentos e não apenas nos grandes, é quando a encontramos.

 

...Descubra onde reside a alegria e dê-lhe voz, não apenas para cantar. Porque perder a alegria, é perder tudo.

Robert Louis Stevenson

Atingir um estado de pura alegria não é fácil. É necessário compromisso e exige que trabalhemos na felicidade todos os dias.

 

Quer treinar o músculo da felicidade?  Mo Gawdat, ex-diretor de negócio da Google [X] e autor de Solve for Happy, e a Rituals têm uma missão comum de fazer #1MillionHappy. Junte-se a nós numa viagem interativa de 14 dias que vai transformar a sua vida e ajudar a que encontre a felicidade verdadeira e duradoura. Inscreva-se no Happiness Challenge aqui.