3 lições que todos devemos saber para uma vida plena e feliz

Viva antes de morrer

Há uma coisa que todas as pessoas do mundo têm em comum: um dia, todos vamos morrer. É algo em que muitas pessoas não gostam de pensar e é, sem dúvida, algo que assusta muitas pessoas. Esse medo até tem um nome, tanatofobia. E como revelámos neste artigo sobre enfrentar os seus medos, se reconhecer o seu medo e o desmontar, pode começar a compreender porque é que tem medo dele e como enfrentá-lo. 

 

Mas nem toda a gente tem medo da morte. E em algumas sociedades e culturas, os funerais são uma celebração, não um momento triste. Em vez da tristeza provocada pelo fim de uma vida (a mentalidade do copo meio vazio), há uma celebração por aquilo que essa vida foi (a mentalidade do copo meio cheio). Por exemplo, em Nova Orleães, há um evento chamado funeral do jazz, que é sobretudo para músicos que faleceram, mas qualquer pessoa pode pedir esse tipo de funeral. O desfile do funeral inclui uma banda e começa na igreja ou na casa mortuária com música fúnebre, mas assim que o corpo é colocado em descanso, o desfile torna-se vibrante. Um ambiente festivo inunda as ruas e as pessoas que passam são convidadas a participar e a ajudar a celebrar.

 

Embora ninguém saiba se a morte é realmente o fim, o que sabemos é que é o fim da nossa vida na terra. Há muitas expressões famosas que nos lembram que aproveitemos ao máximo cada momento, sendo a mais conhecida a latina carpe diem, que significa “aproveita o dia”. Claro que não é realista que aproveitemos todos os momentos, abrindo mão da precaução e vivendo uma vida controlada pelos nossos desejos; continuamos a ter responsabilidades, como contas para pagar e tarefas para fazer (o chão não se aspira sozinho!). Mas no livro Solve for Happy, de Mo Gawdat, o autor partilha três lições sobre o tema da morte que toda a gente deveria saber e que podem mudar a nossa vida. Quando aceitamos a morte, é quando podemos viver uma vida plena e feliz.

 

Primeira lição: a morte é inevitável

Não podemos lutar contra a morte; em vez disso, a melhor coisa que podemos fazer é aceitar o facto de que, um dia, todos vamos morrer. Aproveite esse momento para dar uma volta a esse pensamento: o facto de que, um dia, vamos morrer, significa que tivemos a sorte de viver neste mundo.

 

Segunda lição: a vida é agora

Mo descreve o início e o fim da vida como a capa e a contracapa de um livro: não são tão importantes como a história que se encontra entre elas. Pense nisso: como viveria o dia de hoje se soubesse que seria o último? Claro que pode não estar deitado numa praia em Bali, mas pode aproveitar o dia de hoje para desfrutar dos momentos. Como refere o Mo, se soubesse que a refeição de hoje seria a última, estaria preocupado com o facto de o empregado de mesa ser antipático ou preferiria saborear cada garfada? Se estiver preso no trânsito, vai buzinar com raiva ou prefere subir o volume do rádio e cantar? Os dias não podem ser todos perfeitos, os dias não podem ser sempre férias, mas podemos encontrar a felicidade nos pequenos momentos, todos, mas todos os dias. 

 

Terceira lição: a vida é um empréstimo

Todos vimos ao mundo sem nada e partimos sem nada. As coisas materiais que possuímos não são realmente nossas, são-nos simplesmente “emprestadas” durante o tempo que vivemos na terra. Embora isto pareça um pouco triste, não tem de ser assim, aliás, a verdade pode libertar-nos. “Se nada é meu, não há nada a perder”, escreve o Mo. “De cada vez que algo sai da minha vida, é criado espaço para entrarem coisas novas”. Nada dura para sempre, tudo o que podemos fazer é desfrutar do fluir da vida, saborear os momentos bons e aprender com os maus. 

 

Quer chegar à felicidade para poder atingir o seu pleno potencial? Mo Gawdat, ex-diretor de negócio da Google [X] e autor de Solve for Happy, e a Rituals têm uma missão comum de fazer #1MillionHappy. Junte-se a nós numa viagem interativa de 14 dias que vai transformar a sua vida e ajudar a que encontre a felicidade verdadeira e duradoura. Inscreva-se no Happiness Challenge aqui.

 

*Por favor selecione o idioma para as legendas nas definições do vídeo do YouTube.