5 dicas para ajudar a descobrir as suas paixões

Lembra-se da última vez em que sentiu paixão por alguém ou por alguma coisa, em que sentiu o coração a bater mais rápido, com emoção e desejo por descobrir mais? Imagine que podia sentir-se assim todos os dias. 

 

A paixão é a emoção que nos leva a cumprir o nosso propósito e para descobrirmos o nosso propósito, devemos restabelecer contacto com a nossa alma, com o nosso verdadeiro “eu”.

 

Num mundo ideal, todos sentiríamos paixão pelo nosso trabalho e embora algumas pessoas tenham a sorte de ter uma carreira emocionante e gratificante, isso não acontece com toda a gente. Mudar de carreira não é tão fácil como carregar num interruptor, mas podemos começar a introduzir as nossas paixões sem deixar o nosso trabalho atual, dedicando-lhes algum do nosso tempo livre. Se puder dedicar apenas umas horas por semana às suas paixões, vai sentir mais satisfação e felicidade noutras áreas da sua vida. 

 

Como parte do Happiness Challenge da Rituals, o exercício de hoje é visualizar as paixões, mas nem toda a gente sabe quais são as suas verdadeiras paixões. Partilhamos 5 formas de preparar o seu cérebro para descobrir aquilo que o(a) apaixona, para que possa traçar um caminho para o seu verdadeiro propósito. 

 

Conheça-se a si mesmo(a)

Ao conhecermo-nos a um nível mais profundo, podemos começar a identificar as coisas que realmente nos apaixonam. Quando a vida é demasiado frenética, pode ser difícil apercebermo-nos do que nos rodeia. Abrande. Experimente fazer alongamentos suaves, dar um passeio ao ar livre, meditar, se quiser. E respire fundo. Muitas vezes, temos as nossas melhores ideias quando não estamos a tentar pensar nas nossas melhores ideias. É mais provável apercebermo-nos do que nos apaixona quando o nosso cérebro está em calma e aberto do que quando está aturdido e cansado.

 

Dedique tempo a aproximar-se do seu verdadeiro “eu”, da sua alma porque é aí que as suas paixões e o seu propósito estão radicados. Nem sempre é fácil vermos quem somos, aqui dizemos-lhe como descobrir o seu verdadeiro “eu”, mas também pode fazer-se esta simples pergunta: se só pudesse ler livros sobre um tema o resto do ano, que tema seria esse? Esta pergunta deveria dar-lhe uma ideia daquilo que o(a) apaixona, ou pelo menos, dar-lhe um ponto de partida.

 

Saiba aquilo de que não gosta

Sabermos aquilo de que não gostamos é tão importante como sabermos as coisas de que gostamos. Algumas pessoas sabem muito cedo quais são as suas paixões, mas para outras pode ser um caso de tentativa e erro. Pode saber que quer fazer algo criativo, frequentar aulas de pintura e aperceber-se de que afinal isso não lhe dá prazer. Talvez fazer cerâmica ou roupa seja aquilo de que realmente gosta. Esteja aberto(a) à ideia de que está num caminho de descoberta e que a sua paixão pode acabar por ser algo inesperado.

 

Lembre-se do passado

Falamos muito sobre a força positiva de viver no presente, mas por vezes vale a pena fazer uma viagem ao passado. Lembre-se de quando era pequeno(a), quais eram as disciplinas ou os hobbies de que mais gostava? Por vezes, isso pode dar-nos pistas sobre o que podemos fazer hoje que nos desperte paixão. Tocava piano? Porque não volta a ter aulas? Estava sempre a contar piadas na sala de aula? Talvez a stand-up comedy seja uma opção divertida. O ténis era o seu desporto favorito? Encontre alguém que jogue consigo e volte a pisar o court. Lembre-se disto:não tem de ser o(a) melhor em algo ou ganhar dinheiro fazendo algo para que essa seja a sua paixão. Num mundo ideal, claro que a nossa carreira e o nosso propósito na vida seria a nossa paixão, mas por vezes, termos hobbies de que gostamos é suficiente.

Não vamos encontrar a nossa paixão apostando abaixo das nossas possibilidades nem aceitando algo inferior àquilo de que somos capazes

Nelson Mandela

Continue a aprender

O ser humano não é um ser estático, nós evoluímos e mudamos ao longo do tempo. E as nossas paixões e o nosso propósito também podem evoluir e mudar ao longo do tempo.

 

Há pessoas que têm como propósito ser médicos e quando o conseguem, isso é suficiente para estarem felizes sem terem de perseguir nenhum outro objetivo. Outras pessoas podem descobrir o seu propósito e, ao fim de algum tempo, esse propósito pode evoluir para outro.

 

Marque na sua agenda um dia para se examinar e avaliar se as suas prioridades mudaram e se está no caminho certo. Por exemplo, pode aperceber-se de que o seu trabalho já não o(a) satisfaz. A sua paixão é ensinar? Quer assumir uma função mais criativa no trabalho? Fale com o seu superior sobre algumas áreas do negócio acerca das quais gostaria de saber mais e veja se, em conjunto, podem criar uma plano de carreira que funcione tanto para si como para a sua empresa. A satisfação dos funcionários é essencial e muitas empresas oferecem cursos ou trabalhos de voluntariado nos quais pode participar.

 

Marque um encontro com alguém que o(a) emocione

Todos temos um(a) amigo(a) - ou mais, se tivermos sorte - que nos inspira. Depois de estar com ele(a), sentimos sempre mais motivação, como se pudéssemos conquistar o mundo. Se se sente um pouco perdido(a) no processo de identificar as suas paixões, recorra às pessoas que melhor o(a) conhecem e peça-lhes ajuda. Muitas vezes, as pessoas que estão à nossa volta veem-nos mais claramente do que nós próprios.

 

 

Quer encher a sua vida de paixão e felicidade? Mo Gawdat, ex-diretor de negócio da Google [X] e autor de Solve for Happy, e a Rituals têm uma missão comum de fazer #1MillionHappy. Junte-se a nós numa viagem interativa de 14 dias que vai transformar a sua vida e ajudar a que encontre a felicidade verdadeira e duradoura. Inscreva-se no Happiness Challenge aqui.

 

*Por favor selecione o idioma para as legendas nas definições do vídeo do YouTube.