Dia 2: O segredo para focar a sua mente ocupada num mundo frenético

De uma forma ou outra, todos estamos distraídos, mas hoje vai descobrir como encontrar o seu foco e sentir-se menos disperso, rapidamente

 

No vídeo de hoje de Mindfulness para a vida moderna, a Ruby fala com a nossa diretora criativa, Dagmar Brusse, sobre como é fundamental no mindfulness estarmos abertos à mudança e sermos amáveis connosco.  

  

LEITURA DE HOJE: Encontrar o seu foco com o mindfulness 

Encontrar o nosso foco e mantê-lo está a tornar-se cada vez mais difícil. A maior parte do tempo, estamos distraídos. Distraiu-se só ao ler esta frase? Não lhe acontece só a si. Segundo os neurologistas, passamos 48% da nossa vida com a mente a divagar daquilo que na verdade estamos a tentar fazer. “Nos dias de hoje, estamos rodeados por aquilo a que chamo ‘armas de distração massiva’”, afirma a embaixadora Rituals de mindfulness, Ruby Wax. “Temos o nosso telefone permanentemente colado a nós, o nosso computador está sempre ligado e temos constantemente a informação à nossa frente. Chegámos a um ponto em que o nosso corpo está quase num estado crónico de distração”. 

  

O que acontece quando não conseguimos focar-nos 

O que é pior é que esta distração só leva a mais. Nos últimos 20 anos, os nossos níveis de atenção diminuíram. Atualmente, podemos focar-nos apenas durante 8 segundos, em média, quando no ano 2000 eram 12 segundos. E como sabemos se estamos distraídos? “Digo sempre que é quando saímos de um carro e pensamos ‘como é que aqui cheguei?’ ou quando comemos chocolate, mas não o saboreamos; aí é quando sabemos que estamos distraídos”, afirma Ruby. 

 

No entanto, o mindfulness pode ajudar. A parte do cérebro responsável pela atenção chama-se córtex cingulado anterior (CCA) e quanto menos o utilizamos, mais frágil se torna. Ao fazer exercícios de mindfulness como os desta masterclass, vai fortalecer o CCA para que possa detetar quando o seu foco se dispersou e regressar à tarefa que tinha em mãos.  

 

“Durante apenas um minuto por dia, tente atrair o seu foco para algo que está a fazer utilizando um dos seus sentidos”, afirma Ruby. “Portanto, se estiver a lavar a louça, foque-se realmente em sentir a água nas suas mãos. Se se aperceber que a sua mente está a divagar, não se culpe, simplesmente regresse à sensação da água ou a como é ter a sensação de “quente”. Se entrarem em cena pensamentos que distraem, aperceba-se deles, não se sinta mal por eles e regresse à água. Tudo isso ajuda a fortalecer o seu CCA e, por sua vez, a concentração”.  

  

Claro que um pouco de distração é boa para nós. Não podemos pará-la completamente e nem sequer devíamos querer isso. “É bom pensarmos no passado e lembrarmo-nos de experiências anteriores, porque é assim que garantimos que não repetimos os mesmos erros no futuro, mas se tivermos esse hábito em excesso, perdemos o presente. Fazer várias coisas ao mesmo tempo também é uma verdadeira arte, mas se o fizermos constantemente, o cérebro fica exausto”, explica Ruby.  “Como com tudo o que fazemos, há uma perda de energia e um verdadeiro custo quando temos de nos dividir entre várias coisas”.  

 

Como combater a distração e focar-se

E embora possamos pensar que precisamos de mais foco para concluir tarefas tangíveis, como a nossa interminável lista de coisas a fazer ou um prazo do trabalho, também há um motivo mais emotivo. “A distração faz com que percamos muito da vida”, afirma Ruby. “Funcionamos em piloto automático muito tempo e isso impede-nos de nos relacionarmos e ouvirmos as pessoas que são mais importantes para nós. Isso também significa que não nos ouvimos, nem ouvimos os nossos verdadeiros desejos, porque estamos demasiado distraídos”.  

 

A tarefa de hoje tem a ver com recuperar essa relação consigo. É um passo importante no caminho de dirigir o seu foco para dentro, em vez de para fora, e vai dar por si a recorrer a ele uma e outra vez. Como diz a Ruby, “se quiser ser feliz, aprenda a prestar atenção”.    

TAREFA DE HOJE: Sentir as suas emoções

Ontem, a Ruby mostrou-lhe como desfrutar de um pouco de mindfulness em qualquer lugar. Hoje, vamos elevar o treino de mindfulness a outro nível com um exercício concebido para aumentar o foco.  

 

Por vezes, podemos estar tão distraídos e sem foco, que nem sequer sabemos como nos sentimos. Para ajudar nesta situação, pegue num pedaço de papel e numa caneta e trace um esboço do seu corpo. Daqui a nada, vai pensar acerca de diferentes emoções da lista abaixo. Para cada emoção… 

  

*Desenhe onde a sente no seu corpo. Pense na forma dos seus limites: é reta, em ziguezague ou um círculo? 

*Sombreie a área para representar se é uma emoção forte ou ligeira. 

*Escreva ao lado qual a sensação que a emoção provoca, ou seja, dor aguda, palpitação, dor penetrante, frio, calor, etc. 

 

As emoções

Tristeza 

Felicidade 

Desgosto 

Inveja 

Amor 

Raiva 

Medo 

Vergonha 

 

A ideia desta tarefa não é apenas focar a mente, mas também ajudar a que esteja mais em sintonia com o seu corpo e as suas emoções. Se alguma vez acordar com uma sensação de ansiedade no estômago ou se tiver uma dor de cabeça por stress mas não conseguir saber porquê, pode voltar a este exercício para se lembrar das emoções que pode estar a sentir subconscientemente.  

 

Acha que não consegue fazer as coisas de outra forma? Pense novamente. O dia 3 da nossa masterclass de mindfulness é sobre a neuroplasticidade e revela como, praticando o mindfulness, pode criar novos hábitos duradouros.