Dia 5: Como utilizar o mindfulness para aliviar as grandes preocupações da vida

Desde lidar com a incerteza e a solidão à insatisfação com a vida, o mindfulness pode ajudar a enfrentar os momentos mais duros. Descubra como

 

No vídeo de hoje de Mindfulness para a vida moderna, a Ruby reflete sobre as realidades da vida com a nossa diretora criativa, Dagmar Brusse, e sobre como o mindfulness nos pode ajudar a ter uma trajetória serena.   

 

LEITURA DE HOJE: Como o mindfulness pode ajudar na visão de conjunto

Chegámos ao último dia desta masterclass de mindfulness! Até agora, vimos como o mindfulness pode ajudar a lidar com momentos de stress, mas também pode ajudar-nos a processar as grandes preocupações que nos podem tirar o sono. À medida que a prática de mindfulness se vai tornando cada vez mais um hábito natural nos pequenos momentos do dia, o próximo passo é refletir mais profundamente no seu ser interior e utilizar o mindfulness para despertar o seu pensamento em questões mais sérias. 

 

“A perspetiva é tudo. Através do mindfulness, estamos a aprender sobre nós próprios, quais as coisas que ativam reações negativas em nós, como reagimos e estamos a dar-nos autocompaixão. Portanto não dizemos ‘pf, isso é típico de mim’, que é o que normalmente fazemos”, diz a nossa embaixadora de mindfulness, Ruby Wax. “Está a aprender a dizer ‘foi assim que nasci, não tenho culpa das coisas que tenho gravadas na minha cabeça. Foram os meus pais que as puseram lá, foi o meu passado, mas agora já está perdoado, acabou-se’”. 

 

Durante a pandemia - provavelmente a maior preocupação com que o mundo inteiro teve de lidar nos últimos tempos - a Ruby olhou para como as pessoas estavam a responder às adversidades e porque é que tantas pessoas estavam a ter dificuldades. “Estávamos mal preparados porque fomos repentinamente forçados a confrontarmo-nos com o que eu chamo os Seis Grandes: emoções difíceis, incerteza, solidão, mudança, insatisfação e morte. Deviam ter-nos ensinado a lidar com eles quando éramos pequenos, mas tentamos evitar as coisas desagradáveis ou dolorosas e, sem nos apercebermos, quando nos batem à porta, passamos a ser inúteis”. E infelizmente, a pandemia veio provar que isso é verdade. De repente, vimo-nos frente a frente com todos os Seis Grandes ao mesmo tempo e no primeiro ano de pandemia a Organização Mundial de Saúde reportou 25% de aumento global em ansiedade e depressão. Encontrar uma forma de lidar com as emoções quando algo de dimensões consideráveis nos acontece é uma ferramenta vital essencial.  

 

“Se souber como manter o equilíbrio utilizando técnicas de mindfulness, muda tudo”, afirma Ruby. “Os problemas não vão desaparecer, não há nada que possa fazer quanto a isso, mas pode acalmar o seu cérebro e isso vai ajudar a lidar muito melhor com a realidade. Trata-se de saber sobre o que pode fazer alguma coisa e sobre o que não está nas suas mãos”. 

 

Promover a autocompaixão com o mindfulness

Embora os Seis Grandes sejam inevitáveis, um pouco de autocompaixão pode fazer muito para nos equilibrar em momentos de reflexão.  “Quando sente compaixão, o seu coração abre-se e liberta uma hormona chamada oxitocina. É a hormona do amor”, explica Ruby. Reagir a partir de uma posição de amor, bondade e compaixão pode ajudar a acalmar a conversa negativa e vai sempre conduzir a um melhor resultado do que responder de uma posição de medo, raiva ou rancor.  

 

A maior parte das pessoas tem dificuldade em dizer coisas simpáticas a si próprias, portanto a Ruby recomenda começar a prática da compaixão dizendo coisas agradáveis às pessoas de quem gosta, seja enviando umas palavras à sua avó, como “Espero que estejas feliz” ou olhar para o seu gato e dizer-lhe os motivos pelos quais adora tê-lo na sua vida. “Demonstrar o nosso amor a outras pessoas permite-nos abrir o nosso coração para podermos oferecer compaixão a nós próprios. Pode ter uma sensação física de abertura do coração”, afirma Ruby. Assim que estiver confortável pensando coisas positivas sobre outras pessoas e sentir mais abertura, dê a volta às coisas e diga essas coisas agradáveis a si.  

 

O mindfulness tem a ver com a repetição. A autocompaixão pode não ser fácil, mas continue a repetir palavras de compaixão a si próprio(a), porque pode treinar-se para a alegria. “Algumas pessoas são apanhadas nos hábitos da raiva, do rancor, da inveja ou de todos os pensamentos críticos de não sou suficientemente bom”, afirma Ruby. “Salvo que seja uma pessoa naturalmente compassiva e carinhosa, trata-se de outro treino”. 

 

Portanto, quer seja no momento de pânico antes de uma apresentação ou às 3 da manhã quando não pode dormir pelo panorama geral, praticar diariamente diferentes facetas do mindfulness pode ajudar a fortalecer a forma como enfrenta os pequenos e grandes desafios da vida.  

TAREFA DE HOJE: Mindfulness para lidar com a incerteza

O futuro não está nas nossas mãos e a incerteza é uma preocupação universal para muitas pessoas. No entanto, sem incerteza, também não há surpresa e embora não estejamos a dizer que não deve fazer planos (porque então não haveria progresso), este exercício vai ajudar a perceber que a incerteza não é algo mau e que já lida com ela há bastante tempo. 

  

Aponte um momento da sua vida em que esteve numa encruzilhada. Depois pense nessas situações e no que pensou que aconteceria a seguir: 

  

* Depois de acabar os estudos 

* Quando tivesse o primeiro trabalho 

* Quando se casasse ou fosse viver com um(a) parceiro(a) 

* Depois de ter filhos (se tiver) 

* Depois de acabar o confinamento 

  

Agora escreva junto a cada frase o que realmente aconteceu. Isto vai ajudar a aperceber-se de que lida muito melhor com a incerteza do que a sua mente quer que acredite.  

    

Parabéns por ter concluído a nossa masterclass de 5 dias Mindfulness para a vida moderna, com Ruby Wax. Esperamos que tenha aprendido dicas e truques úteis e tenha várias estratégias para ter menos stress e para ter calma independentemente do que a vida lhe reservar. Quer explorar as nossas outras masterclasses? Clique aqui para ver todos os programas gratuitos que temos disponíveis.