Porque é que o Ioga é o Derradeiro Ritual de Bem-Estar para Mente, Corpo & Alma

O Ioga tem o poder de enriquecer a sua vida de muitas maneiras. Mas não acredite apenas na nossa palavra – deixe a nossa especialista Deborah partilhar a sua experiência pessoal. Não conseguimos pensar numa melhor forma de celebrar o Dia Internacional do Ioga do que abrandar e reconhecê-lo pelo presente que é. E, quando acabar de ler, pode seguir uma das nossas aulas exclusivas em vídeo.

Practice isn’t about trying to throw ourselves away and become something better. It’s about befriending who we are already.

Pema Chodron



Recentemente, li um post no Facebook de uma querida amiga, que também é professora de ioga. Ela revelou, de forma honesta e eloquente, que certa manhã foi ao hospital convencida de que estava a ter um ataque cardíaco. Depois de ser ligada a monitores cardíacos e passado por uma série de testes, os médicos voltaram e disseram-lhe uma palavra - "ansiedade". Seguido por: "Devia experimentar ioga". Depois de confessar que era professora de ioga, eles partilharam um momento de risos embaraçosos, e ela foi-se embora.

Usando as suas próprias palavras, ela escreveu que saiu do hospital naquele dia "a sentir-se uma fraude".

 

Não é segredo que vivemos numa cultura que nos impulsiona a mudar - a mudar a nossa dieta, mudar a nossa forma, mudar as nossas roupas, mudar a nossa mentalidade. É claro, não há nenhum mal na procura ativa de um estilo de vida mais saudável, mas é incrível a rapidez com que isso pode mudar para sentimentos de indignidade ou cansaço - sentimento de que temos constantemente de nos livrar de nós próprios para a próxima melhor versão de quem podemos ser. Nunca acomodada. Nunca satisfeita com quem somos agora. Já conhecemos bem essa história.

 

A maioria das pessoas (até 90%, de acordo com alguns estudos) começam a praticar ioga para se tornarem mais flexíveis ou para ficarem em melhor forma física. E não faltam estudos para apoiar os benefícios físicos do ioga. De acordo com um resumo da Harvard University Medical School, o ioga aumenta a perda de peso, leva a um menor índice de massa corporal, e aumenta a força muscular, a resistência, a flexibilidade e a capacidade cardiorrespiratória. Também reduz os fatores de risco cardiovasculares, ajuda a reduzir a pressão arterial em indivíduos com hipertensão e conduz a uma melhor imagem corporal e práticas alimentares mais conscientes. Obviamente, são todas razões excelentes para começar e manter uma prática de ioga.

 

No entanto, um estudo de um artigo publicado há alguns anos no Journal of Health Psychology mostrou que mais de 60% dos participantes relataram uma mudança na sua principal motivação para praticar ioga ao longo do tempo. Enquanto que a maioria começou por razões físicas, algo mais os fez voltar - alívio do stress, senso de comunidade, e autodescoberta estavam entre as razões mais reportadas. Mas a "espiritualidade" foi a resposta mais comum. Uma mudança de resolução para ritual.

Não há uma maneira simples de resumir como o ioga e a espiritualidade começam a misturar-se para muitos de nós ao longo do tempo, ou como a ioga nos leva a um sentido de espiritualidade mais profundo. Isto é vivenciado de forma única por cada indivíduo e muitas vezes liga-se intimamente à viagem pessoal de alguém, obstáculos e crenças. No entanto, um dono de um estúdio de ioga que ajudou a iniciar o estudo acima mencionado citou: “In the beginning, you are doing yoga. Eventually the yoga starts doing you.”

 

Esta é obviamente uma afirmação que não podemos analisar de muito perto. Tem que simplesmente ser experienciado, e a única maneira de fazer isto é começar um ritual diário ou praticar ioga regularmente... e ver o que acontece. Costumo encorajar as pessoas a entrarem em contato com este sentido profundo de curiosidade – deixar de lado as expectativas e apenas ser curioso. Normalmente é uma ótima maneira de começar, e deixa espaço para surgirem todos os tipos de possibilidades.

 

Para a minha amiga (aquela que acreditava que estava a ter um ataque cardíaco), o ioga não "curou" a sua ansiedade. Mas ajudou-a a tornar-se mais consciente, a acender a luz, a gerir melhor o que ela vive. Nas suas próprias palavras, "o Ioga não é uma cura para todos ... mostra-nos onde somos fortes, onde nos mantemos por muito tempo e onde precisamos de apoio. Não faz com que nada desapareça e pode preparar-nos para gerir melhor os desafios que nos são apresentados”.

 

Acredito que o ioga faz isto porque se concentra na consciência corporal e no cultivo de um sentido profundo de autoaceitação. (Atrevo-me a dizer amor-próprio!) Paramos a conversa incessante e a necessidade obsessiva de mudança. Não sentimos que precisamos de nos libertar para a condenação, esperamos sempre algo melhor.

 

O ioga pede nos, através de uma mistura de movimentos conscientes, quietude e consciência da respiração, para fazer amizade com quem já somos. Agora. Não amanhã. Agora. Neste momento. E apenas este movimento interno é intensivamente curativo para muitos de nós.

 

Então, antes de pensarmos onde queremos estar a seguir, avaliamos onde estamos atualmente e o que alimenta a nossa motivação para a mudança. Com maior consciência, podemos movermo-nos com mais amor e atenção para as mudanças que realmente nos beneficiam.



A minha citação favorita do Bhagavad Gita (um texto sagrado do Oriente) é:


Yogastah Kuru Karmani.


Traduzindo aproximadamente, isto significa “Estabelecido em Ser, Executar a Ação”. Noutras palavras, antes de agirmos (externamente) nas nossas vidas (fazendo mudanças no nosso corpo ou dieta ou trabalho ou estilo de vida), devemos entrar em contato em primeiro lugar com o sentido de clareza e fundamento.

           

Quando tomamos decisões a partir desse lugar interno centrado, do ser, as nossas ações no mundo alinham-se não apenas com a nossa própria saúde e felicidade, mas também com a saúde e a felicidade das pessoas ao nosso redor. E alguns dizem que este é o lugar onde o verdadeiro caminho do ioga começa.